chove sobre a xícara de café com leite. penso que desse jeito vou ter uma indigestão. tenho sono. minhas pálpebras doem, mas não consigo dormir.

me espreguiço e meu corpo todo faz um ruído de telhas quebrando. quando eu era pequena pensava que deus era um gato no telhado gemendo inescrupulosamente e atormentando meu sono. quanto tempo sobrevive um corpo que não dorme?

uma mosca varejeira pousa na ponta do meu nariz. não me mexo. vesga a observo limpar as patas. olho bem no fundo dos seus múltiplos olhos prateados. me fascina a ignorância desses seres tão pequenos. em um instante, ela cai morta sobre a mesa. pego seu corpo com meus dedos em pinça e a engulo com o café.

andres-gomez-unplash

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s