sem título

cloto tece.

ela tinha nove anos quando leu pela primeira vez sobre as moiras. ficou encantada com a ideia de que cada um de nós, quando ainda é poeira estelar, tem o destino traçado por uma mulher. imaginava pra si uma vida tecida como a das personagens que enfeitavam seus livros de história. amazonas, guerreiras, feiticeiras. resistentes como a linha que cloto usava para compor sua teia.

laquesis mede.

aos catorze, maldisse sua vida torta, com tantos obstáculos e exigências. tanta falta de amor, compreensão, dinheiro. aos vinte e três deixou de acreditar em destino. terminou a faculdade, começou a trabalhar, casou e foi feliz no primeiro ano antes de engravidar e seu marido começar a lhe bater. conjeturava sobre o tamanho da urdidura que laquesis havia feito para ela. esperava que não fosse tão grande.

átropos corta.

aos trinta e seis acordou cedo, fez café e ovos mexidos, esperou o marido ir trabalhar e a filha sair pra escola. tomou um longo banho, disfarçou o olho roxo com corretivo, vestiu sua melhor roupa, pegou uma bolsa e saiu casa. na esquina da rua parou pra pensar aonde iria, no mesmo instante em que uma mulher derrubava um vaso da janela do nono andar.

o corte de átropos penetrou sua carne como uma faca butterfly, essas que entram suavemente e se abrem em tesoura por dentro.

Photo by Markus Winkler on Unsplash

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s